Social Media Week SP 2018: Como tirei minha primeira palestra do papel

Como boa acadêmica, sempre imaginei que algum dia, na minha vida profissional, eu começaria a lecionar. Quando estava na faculdade, minha cabeça já criava expectativa pelos próximos anos de mestrado e doutorado que gostaria de ter, sempre com objetivo de, um dia, poder repassar os conhecimentos que adquiri durante a minha jornada – que mal havia começado.

O destino me colocou bem longe desses planos. Quando saí da faculdade, já trabalhava há algum tempo como social media, criando conteúdo digital para clientes de diversos setores. Oportunidades de trabalho em outros lugares surgiram, e eu fui agarrando todas, construindo um caminho sólido como planejamento de comunicação digital. Isso me levou até o Governo do RS.

O setor público me rendeu ótimas experiências em parceria com inúmeras pessoas que também trabalham em instituições governamentais. Mais do que isso: me rendeu conhecimentos que eu não tinha e desenvolvimento pessoal. Aprendi a trabalhar com pouca – ou nenhuma – verba, diferentemente do que acontecia no mercado. Aprendi a ser mais flexível, mais paciente e, acima de tudo, aprendi que ninguém faz nada sozinho.

Com apoio dos meus amigos, me inscrevi no Social Media Week SP desse ano, buscando repassar um pouquinho da minha experiência e mostrar como o planejamento de comunicação digital pode sim dar certo no setor público – e como outras pessoas e instituições podem seguir o mesmo exemplo.

Para minha surpresa (e alegria) a palestra foi selecionada. Minha primeira palestra aconteceria no maior evento de Social Media da América Latina. *crying in panelist language*

Palestra confirmada: E agora?

Sabe aquela frase “Vai. E se der medo, vai com medo mesmo”? Então, nada é mais verdadeiro do que isso. Apesar do medo, a oportunidade de palestrar em um evento desse tamanho ia ao encontro do meu antigo desejo de lecionar. Então, bola pra frente e bora fazer acontecer.

Mas por onde começar? Eu tinha um roteiro mais ou menos estabelecido na minha cabeça, fruto de uma longa conversa com o Alysson no dia que inscrevi a palestra no site da SMWSP, mas nada muito consolidado.

A primeira coisa que você deve ter bem clara é: qual é o objetivo da palestra?

É ensinar algo apresentando cases práticos?

É vender um produto ou serviço?

É simplesmente expor cases?

É trocar ideias com o público a partir de um tema que você escolheu?

No meu caso, o objetivo da palestra foi relatar a minha experiência de trabalho no setor público, apresentando cases práticos que podem servir como inspiração para outros profissionais de comunicação pública digital.

Se você planeja palestrar, essa é outra dica importante ao iniciar o processo de construção da sua palestra: coloque em um papel todos os pontos que você gostaria de abordar, mesmo que ainda sem estruturação. Para amarrar tudo isso, nada melhor do que – pasme – um bom planejamento.

Comecei o planejamento elencando quais ações eu gostaria de mostrar na minha apresentação. Priorizei iniciar pelas mais complexas e que demandavam mais conteúdo, para encerrar com as mais simples de exemplificar.

O levantamento de dados é a parte mais complicada, pois exige tempo e organização. Apesar de trabalhoso, assim que você estiver com todas as informações elencadas, ficará bem mais fácil roteirizar a condução da sua palestra.

Com essas etapas finalizadas, eu passei para a estruturação do conteúdo, que é uma parte muito importante na criação de uma apresentação interessante e com bom desenvolvimento. Sendo assim, eu segui os seguintes aspectos para nortear a produção do meu conteúdo:

Conteúdo que ensina: meu foco foi mostrar como o planejamento digital pode construir soluções reais para a população. Para isso, eu precisava expor como foi criado o planejamento de cada uma das ações digitais que eu selecionei para a apresentação. Priorizei apresentar cada etapa do planejamento, desde a análise de cenário até a execução, finalizando com os resultados alcançados.

Slides criativos: pouco texto e muita imagem, tornando mais visual, atrativo e menos cansativo para quem está na platéia. Desde a faculdade, eu busco tornar os slides bonitos esteticamente, pois acredito que isso auxilie a manter as pessoas interessadas no conteúdo que você está abordando. O meu grande aliado na hora de fazer slides é o site Canva, que disponibiliza templates bonitos e funcionais, com a facilidade de editar tudo online.

Contar uma boa história: li em muitos lugares que, quando vamos apresentar alguma coisa, é interessante mostrarmos o quão importante aquele projeto/ideia é pra gente. Optei por contar toda a minha trajetória em cada uma das ações digitais que abordei, mostrando o quão gratificante foi conquistar cada resultado.

Dar créditos às pessoas que participaram dos projetos: um dos motes da minha palestra era mostrar que ninguém faz nada sozinho. Apesar de, muitas vezes, você tocar boa parte de um processo por conta própria, é necessário a parceria com muitas pessoas para que o produto se torne realidade. Sendo assim, nada mais justo do que citar e agradecer a ajuda de todo mundo que fez aquela história acontecer.

Pronto! Estava lá o PPT lindão e com tudo estruturado.

Porém, só a construção dos slides não era tudo o que eu precisava.

Vencendo a insegurança

Como essa era minha primeira palestra (e em outra cidade!), eu estava um pouco insegura.

As minhas principais preocupações eram: saber se tudo o que eu havia colocado na apresentação era realmente relevante e se eu conseguiria passar, com aquele conteúdo, os resultados dos projetos de forma objetiva.

Para saber se o caminho que eu optei era efetivo, apresentei o que eu havia produzido para um jornalista que já conhecia os projetos, e para uma bióloga que não sabia nada sobre a apresentação.

Meu objetivo com esse ensaio foi: se duas pessoas com formações e conhecimentos distintos sobre o tema entendessem o que eu estava ensinando, então seria um sinal de que eu estava no caminho certo. Além disso, escolhi apresentar para profissionais com perfis diferentes, pois cada um poderia indicar momentos da minha fala que poderiam ser reduzidos, e outros pontos que eu deveria detalhar melhor.

Fazer esse ensaio me auxiliou a elencar as ideias, conhecer bem a sequência dos slides e gerenciar o tempo previsto para a apresentação – não levando em consideração o fator nervosismo, que pode fazer com que tudo ande mais rápido.

A recepção das pessoas que estavam no evento foi super positiva, o que me deixou muito feliz! Admito que sempre tive grandes expectativas em relação ao meu crescimento profissional, principalmente por todos os desafios e percalços que encarei ao longo desses anos.

Uma experiência como essa, de palestrar fora da minha cidade, em um auditório com vários profissionais da área e sendo transmitido pelo YouTube de um grande canal (o A&E), foi super positiva. Posso dizer com toda certeza que foi um dos momentos mais legais da minha carreira até aqui.

Se você tiver curiosidade, pode assistir à minha palestra no player abaixo. Nela você poderá constatar basicamente tudo o que eu expliquei nesse texto 🙂

1 comentário em “Social Media Week SP 2018: Como tirei minha primeira palestra do papel

  • Parabéns Stephanie, li atentamente teu texto, e te digo, assim como a palestra, que tu se inscreveu e foi em frente, e tudo deu certo, uma situação me chamou atenção, que teu sonho era ser professora, e para isso precisa, como tu mesmo disse, te especializar, ser doutora, vai em frente, não desista desse sonho, o que sonhamos, e lutamos por ele, um dia torna-se realidade, é só não deixar de sonhar. Beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *