Como usar hashtags no Instagram para conquistar seus objetivos

Todo mundo usa hashtags nas redes sociais, mas será que o fazem da maneira correta? O sistema de tags é uma ótima forma de conquistar resultados. Entretanto, é necessário entendê-lo e definir estratégias para ser visto pelo seu público-alvo. Neste artigo, analiso 9 exemplos para mostrar como usar hashtags no Instagram para atingir seus objetivos.

Antes, um rápido resumo do que é hashtag e como o sistema funciona: é uma forma de “etiquetar” seu conteúdo usando o caracter # seguido de uma ou mais palavras juntas. Não pode haver espaço em hashtags.

Quando você usa a #comida em uma publicação, por exemplo, o termo se torna um link. O link é clicável e, ao clicar, você consegue ver todos os posts públicos que usam #comida. Você também consegue pesquisar e acessar hashtags pela aba Tags no Explorar do Instagram. Use essa tela para ver hashtags similares ao termo que você buscou.

Foi-se o tempo em que não se usava acentuação gráfica nas hashtags. Entretanto, o Instagram diferencia hashtags com e sem acento. Use a aba Tags para verificar a quantidade de uso das tags e escolha a que fizer mais sentido para sua estratégia. Ou use ambas, com e sem acento, não tem problema.

Como definir sua estratégia de hashtags no Instagram

Primeiramente, você deve criar uma hashtag própria para sua conta. Pode ser o nome da sua marca ou o slogan, por exemplo. Você deverá usá-la em todos os posts. O exemplo prático de por que usar uma tag própria está no penúltimo subtítulo deste artigo.

Ao realizar uma campanha, você deverá criar uma hashtag específica e usá-la junto com a tag geral da sua marca. Se o intuito da sua ação é fazer com que pessoas usem a hashtag, não tenha medo de divulgá-la. Acrescente-a em todos os materiais promocionais, bem como lembre seus seguidores com frequência fazendo posts, stories, lives e anúncios.

Dito isso, vamos para o dia a dia da sua marca. Você precisa saber qual é o seu público-alvo. Se você não sabe, não tem problema. Isso porque você pode escolher as hashtags simplesmente sabendo qual é a sua intenção.

Pergunte-se: qual público eu acredito que vai adquirir mais valor com o conteúdo que eu produzo?

Suas escolhas serão norteadas pelo público-alvo (para quem já o conhece) ou pela sua intenção (para quem está começando a presença digital do zero). Importante: intenção não é achismo. Você precisa saber onde você quer chegar, com quem você quer conversar e fechar negócios.

Essas serão as hashtags que você irá usar praticamente sempre. Eu digo praticamente porque tudo é mutável no digital. O Instagram não é exceção.

Por exemplo, se você fala sobre Marketing Digital, você provavelmente vai publicar sobre #redessociais, #midiassociais, #mídiassociais, #redessociaisparanegocios, #marketingdigital, #marketingdeconteudo, #marketingdeconteúdo, entre tantas outras genéricas.

Eventualmente você vai falar sobre uma rede social específica, como o Instagram. Nesses casos, você pode mesclar hashtags genéricas com algumas específicas. Por exemplo: #instagramtips, #dicasdeinstagram, #instagramparanegocios, etc.

A fórmula para a mágica acontecer é basicamente esta:

Hashtag da sua marca + hashtag da sua campanha (quando necessário) + entre 2 e 5 hashtags genéricas + entre 2 e 5 hashtags de nicho/localização = Algo em torno de 12 hashtags.

Existe um mínimo e um máximo de hashtags?

Nunca foi possível afirmar. Já houve boatos de que o limite seria 4 hashtags por post. Por um tempo eu passei a usar apenas 4, mas reparei que muitas contas relevantes continuavam usando mais do que isso. Então, decidi voltar a usar essa fórmula e nunca sofri nenhuma penalização do Instagram. Falo mais sobre shadowban no fim deste artigo.

Tem problema exceder 12 hashtags eventualmente? Não, mas sugiro cautela para sua conta não se tornar spammer. Dentro desse limite de até 12 tags tem sido seguro para mim atualmente.

O uso de hashtags para conquistar objetivos de branding e construção de autoridade

Os posts que analiso neste artigo são do Cartório Joana Malheiros, um Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais de Soledade (RS), que também é sede do Centro de Registro de Veículos Automotores (CRVA) do município. Antes de avançar, é importante situar meus objetivos para facilitar a compreensão de como usar hashtags no Instagram estrategicamente.

O principal objetivo do Cartório Joana Malheiros nas redes sociais é o branding. Realizo trabalho de marketing de conteúdo com o Cartório e sua titular, Drª. Joana Malheiros, para fortalecer ambas marcas e posicioná-las como autoridades nas áreas do Direito Registral e no município de Soledade.

Quem trabalha com marketing em qualquer área do Direito sabe que é um segmento com muitas regras rígidas para evitar publicidade. Não se pode falar em preços de serviços, por exemplo. Por isso, os melhores caminhos para se ter sucesso no Direito são investir em branding e produção de conteúdo relevante.

Além de construirmos a autoridade do Cartório e da marca pessoal da Drª. Joana, também temos o dever de estarmos sempre juntos à sociedade gaúcha. Informamos fatos do dia a dia dos serviços prestados pelo Registro Civil e pelo CRVA, bem como atuamos juntos a uma série de entidades locais para fortalecermos o senso de comunidade e pertencimento das marcas de forma natural.

Em resumo, os conteúdos precisam:

  • Tratar sobre Direito Registral em geral e veículos automotores;
  • Abordar a atuação do Registro Civil e do CRVA de Soledade;
  • Gerar valor para a comunidade local;
  • Constituir autoridade do Cartório e da Drª. Joana Malheiros por meio da produção de conteúdo relevante com o objetivo de ser fonte de consulta para operadores do Direito no Brasil.

Análise de 8 posts para você entender como usar hashtags no Instagram

Com as estratégias que detalho neste artigo consegui um crescimento de seguidores de 758% entre janeiro e dezembro de 2019. Tudo de forma orgânica e sem automação.

Agora explico a estratégia que usei para escolher as hashtags de 8 posts, os objetivos de cada um, e apresento os resultados das publicações. A hashtag da marca é #CartórioJuntoDaSociedade, sobre a qual falo ao fim deste tópico.

1º Post: Conversão de união estável em casamento

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Você sabia que é possível converter união estável em casamento? Se os planos familiares mudaram, e agora você e sua companheira ou companheiro desejam contar com a segurança jurídica do casamento civil, vocês podem efetuar a conversão diretamente em Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais (RCPN). Para isso, basta comparecer ao RCPN do local de residência dos companheiros com a escritura pública declaratória de união estável e outros documentos que auxiliem a comprovar a convivência, como: – Certidão de nascimento de filhos ou filhas (se for o caso); – Comprovantes de endereço que sinalizem a convergência de endereço; – Contas em lojas; – Ou seja, tudo o que possa servir como prova da convivência em comum e de que residem no local ao qual pertence a jurisdição do RCPN. O vínculo da relação afetiva passará a ser comprovado mais facilmente, mediante a apresentação da certidão de casamento, extraída do livro de Casamento B-Auxiliar. Lembre-se: oficializar as relações afetivas é ter a fé pública do registrador. Isso assegura autenticidade e dá publicação às relações afetivas perante o Estado. Assim, casais com uniões oficializadas contam com a segurança jurídica necessária para exercitar direitos e planejar a vida em família com tranquilidade. #CartórioJuntoDaSociedade #casamento #casamentocivil #uniaoestavel #uniãoestável #direito #direitodefamilia #direitodefamiliaesucessoes #direitonews #registral #concursodecartorio

Uma publicação compartilhada por Cartório Joana Malheiros (@cartoriojoanamalheiros) em

O objetivo principal deste post era falar com o público do Direito. O Instagram é muito utilizado por acadêmicos, advogados, promotores, estudantes de concursos, entre outros profissionais como fonte de aprendizado e consulta.

Portanto, escolhi termos genéricos #casamento (20 milhões de usos), #casamentocivil (473 mil), #direito (4,6 milhões), #direitodefamilia (247 mil) e #direitonews (200 mil) para conquistar engajamento de contas que automatizam relacionamento em cima de tags genéricas.

Mesclei com hashtags de nicho para ter chances reais de ser visto. Para isso, escolhi #uniaoestavel (19,5 mil), #uniaoestável (5 mil+), #direitodefamiliaesucessoes (5 mil+), #registral (5 mil+) e #concursodecartorio (5 mil+).

Veja os resultados:

Em um ano, aumentei 758% o número de seguidores de forma orgânica e sem automação, apenas produzindo conteúdo e definindo estratégias com hashtags
Em um ano, aumentei 758% o número de seguidores de forma orgânica e sem automação, apenas produzindo conteúdo e definindo estratégias com hashtags

91% das contas alcançadas não seguiam o Cartório Joana Malheiros. A principal fonte de expansão do alcance foram as hashtags: 2.450 impressões dessa forma, de um total de 2.705.

2º post: Dia da Mulher Advogada

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Você sabia que no Brasil dedicamos um dia especial para celebrar as advogadas de nosso país? O dia é hoje, 15 de dezembro! A data nasceu como forma de homenagear a primeira mulher a se tornar advogada no Brasil: Myrthes Gomes de Campos. De acordo com o Portal Migalhas (@portalmigalhas), Myrthes Gomes de Campos nasceu em Macaé (RJ), em 1875, e desde cedo demonstrou seu interesse pelas leis. No entanto, era impensável, à época, que uma mulher construísse uma vida fora do casamento. Foi uma surpresa à família quando a jovem anunciou que partiria para a capital do Estado para ingressar na Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro. Myrthes concluiu o bacharelado em Direito em 1898, mas, por conta do preconceito, foi só em 1906 que conseguiu legitimar-se profissionalmente, quando ingressou no quadro de sócios efetivos do Instituto dos Advogados do Brasil, condição necessária para o exercício profissional da advocacia. Pela luta histórica de Myrthes e pelo protagonismo feminino diariamente, parabenizamos a todas as advogadas pelo seu dia! #CartórioJuntoDaSociedade #advogada #diadaadvogada #15dedezembro #direitonews #advocacia #amodireito #direitoporamor #vidadeadvogada #advogadas #myrthesgomesdecampos

Uma publicação compartilhada por Cartório Joana Malheiros (@cartoriojoanamalheiros) em

Aqui novamente o foco era profissionais do Direito, em especial advogadas e advogados. A data carrega dois importantes elementos que geram interesse: curiosidade e pertencimento.

Curiosidade porque nem todas e todos sabem da existência. Pertencimento porque é um momento de homenagem às mulheres, eternizada na figura da primeira advogada do Brasil, Drª. Myrthes Gomes de Campos. Esses atributos tornaram o conteúdo altamente compartilhável, como você verá nos resultados a seguir.

Aqui minha aposta foi diferente. Priorizei o alcance massivo por conta da curiosidade e do pertencimento. Então foquei em hashtags genéricas: #advogada (1,2 milhão), #diadaadvogada (1,5 milhão), #direitonews (200 mil), #advocacia (1,5 milhão), #amodireito (617 mil), #direitoporamor (756 mil), #vidadeadvogada (151 mil) e advogadas (239 mil).

A exceção ficou por conta da #myrthesgomesdecampos, que ainda hoje está com menos de 100 publicações. Dessa forma, o Cartório marcou presença em uma tag muito nichada e que em 15 de dezembro de cada ano tende a ser usada e buscada.

Veja como o post performou:

As estratégias apresentadas neste artigo mostram os resultados para uma conta do Direito. Entretanto, as instruções de como usar hashtags no Instagram servem para contas de todos os segmentos
As estratégias apresentadas neste artigo mostram os resultados para uma conta do Direito. Entretanto, as instruções de como usar hashtags no Instagram servem para contas de todos os segmentos

82% das contas alcançadas não seguiam o Cartório Joana Malheiros. Novamente as hashtags foram a principal fonte de alcance: 1.158 impressões de um total de 1.423.

3º post: Casamento somente a partir de 16 anos

Ver essa foto no Instagram

Qualquer cidadã e cidadão brasileiro pode oficializar sua união afetiva por meio do casamento a partir dos 16 anos. Essa é considerada a idade núbil (conforme o artigo 1.517 do Código Civil) e, até completar 18 anos, a pessoa só poderá casar com o consentimento dos pais ou responsáveis. Em 13 de março deste ano, foi publicada no Diário Oficial da União a Lei 13.811/19, que proibiu o casamento de menores de 16 anos. Antes, a legislação possibilitava o casamento abaixo dessa faixa etária em casos excepcionais. #CartórioJuntoDaSociedade #direitonews #amodireito #casamento #casamentocivil #adolescentes #juventude #juventudedeatitude #jovemsabia #jovemadvocacia

Uma publicação compartilhada por Cartório Joana Malheiros (@cartoriojoanamalheiros) em

O objetivo principal desta publicação foi falar com o público jovem. Neste caso, a área do Direito está presente, mas em segundo plano.

Além das hashtags amplas que mencionei anteriormente, desta vez também escolhi #adolescentes (914 mil) e #juventude (511 mil). As tags de nicho que usei foram #juventudedeatitude (44,7 mil), #jovemsabia (47 mil) e #jovemadvocacia (54,3 mil).

Veja os números conquistados:

As estratégias apresentadas neste artigo mostram os resultados para uma conta do Direito. Entretanto, as instruções de como usar hashtags no Instagram servem para contas de todos os segmentos
As estratégias apresentadas neste artigo mostram os resultados para uma conta do Direito. Entretanto, as instruções de como usar hashtags no Instagram servem para contas de todos os segmentos

86% das contas alcançadas não seguiam o Cartório Joana Malheiros. De novo, hashtags como principal fonte de alcance: 1.095 impressões de um total de 1.288.

4º post: pessoa divorciada não volta a ser solteira

Esta publicação visou a informar a sociedade civil em geral. Nela, apenas #divorcio (142 mil) e #direitonews (200 mil) são genéricas e amplas. As demais, inclusive #divórcio (com acento, 26,6 mil) são nichadas. #solteirosimsozinhonunca (5 mil+) e #solteirasimsozinhanunca (13,2 mil) são bem populares e de acordo com o objetivo do post.

O público-alvo foi atingido com sucesso, rendendo conversas nos comentários.

Veja o desempenho:

As estratégias apresentadas neste artigo mostram os resultados para uma conta do Direito. Entretanto, as instruções de como usar hashtags no Instagram servem para contas de todos os segmentos
As estratégias apresentadas neste artigo mostram os resultados para uma conta do Direito. Entretanto, as instruções de como usar hashtags no Instagram servem para contas de todos os segmentos

75% das contas alcançadas não seguiam o Cartório Joana Malheiros. Outro exemplo em que as hashtags foram a principal fonte de alcance: 756 impressões de um total de 1.062.

5º post: O que operadores do Direito precisam saber sobre Curatela

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A Curatela é um vasto tema do Direito de Família que requer bastante atenção em todas as etapas do processo. ⠀⠀⠀ Neste vídeo, a titular do Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais de Soledade, Joana Malheiros (@joana.malheiros), fala sobre tópicos que os operadores do Direito precisam saber para que o curador consiga registrar e exercitar a Curatela com agilidade e da forma correta. ⠀⠀⠀ ▶️ ASSISTA AGORA ao vídeo completo: https://youtu.be/RO7mt9hYKos – link clicável na bio @cartoriojoanamalheiros ⠀⠀⠀ #CartórioJuntoDaSociedade #curatela #curatelado #direitodefamilia #direitodefamília #direitodefamiliaesucessoes #direitodefamíliaesucessões #amodireito #direitonews #advogado #advogada #defensorpublico #defensorpúblico #defensorapublica #defensorapública #defensoriapublica #defensoriapública

Uma publicação compartilhada por Cartório Joana Malheiros (@cartoriojoanamalheiros) em

Aqui, o objetivo foi informar diversos profissionais do Direito sobre Curatela. Além das hashtags genéricas já citadas em outros posts, sempre com a intenção de conquistar engajamento especialmente a partir de quem usa ferramentas de automação em tags amplas, nesse post a maioria das escolhas foram de nicho.

Optei por #curatela (5 mil+), #curatelado (menos de 100), #direitodefamília (52,9 mil), #direitodefamiliaesucessoes (5 mil+), #direitodefamíliaesucessões (com acentos, 1 mil +), #defensorpublico (10,8 mil), #defensorpúblico (1 mil+), #defensorapublica (1 mil+), #defensorapública (500+), #defensoriapublica (64,8 mil) e #defensoriapública (500+).

Perceba que várias possuem menos de 10 mil utilizações. A estratégia também tem como objetivo ser encontrado o longo prazo. Além disso, o post era um vídeo curto convidando os usuários a assistirem ao vídeo completo no YouTube, a partir do link na bio.

Veja os números do post:

As estratégias apresentadas neste artigo mostram os resultados para uma conta do Direito. Entretanto, as instruções de como usar hashtags no Instagram servem para contas de todos os segmentos
As estratégias apresentadas neste artigo mostram os resultados para uma conta do Direito. Entretanto, as instruções de como usar hashtags no Instagram servem para contas de todos os segmentos

75% das contas alcançadas não seguiam o Cartório Joana Malheiros. Mais uma publicação com hashtags como principal fonte de alcance: 800 impressões de um total de 1.074.

6º post: Cuidados ao comprar veículos em leilão

Ver essa foto no Instagram

Comprar veículos em leilão pode significar fazer bons negócios. Para que isso se concretize, é preciso ter cuidado e prestar atenção em alguns pontos para que o barato não saia caro. ⠀⠀⠀ 👉 Leia bem o edital para verificar se os veículos à venda possuem débitos como multas, IPVA ou restrições judiciais. ⠀⠀⠀ 👉 Compare também as características cadastrais do veículo com sua estrutura física. Veja se não houve alterações do tipo de combustível, suspensão e sistema de iluminação, por exemplo. ⠀⠀⠀ No caso de haver débitos ou alterações em características que não constam na documentação cadastral, será necessário regularizar todos os pontos necessários na transferência. Como consequência, você precisará investir mais tempo e dinheiro para que as mudanças sejam regularizadas, como arcar com despesas de um Certificado de Segurança Veicular (CSV), a fim de rodar em segurança, respeitando as leis de trânsito, e como proprietário do referido veículo. ⠀⠀⠀ Nem sempre o mais barato vai ser, de fato, o mais barato! ⠀⠀⠀ #CartórioJuntoDaSociedade #CRVASoledade #leilao #leilão #leilaodecarros #leilaodemotos #leilaodeveiculos #veiculosseminovos #veiculosusados

Uma publicação compartilhada por Cartório Joana Malheiros (@cartoriojoanamalheiros) em

Esta publicação é para um público muito específico: pessoas que compram veículos em leilão.

Além de ser totalmente nichada, este post também traz uma novidade definida para 2020: mais clareza em “separar” CRVA de Registro Civil, mesmo ambos sendo fisicamente na mesma sede e liderado pela mesma titular. Por isso, passei a usar tanto a #CartórioJuntoDaSociedade (para fazer parte da “história” de todo o trabalho) como #CRVASoledade, a fim de relacionar com a temática veicular.

#leilao (138 mil) e #veiculosseminovos (161 mil) são as únicas hypadas. As demais escolhidas possuem (bem) menos de 100 mil utilizações. Novamente aposta em ranquear bem nos nichos.

Veja os resultados:

Em um ano, aumentei 758% o número de seguidores de forma orgânica e sem automação, apenas produzindo conteúdo e definindo estratégias com hashtags
Em um ano, aumentei 758% o número de seguidores de forma orgânica e sem automação, apenas produzindo conteúdo e definindo estratégias com hashtags

76% das contas alcançadas não seguiam o Cartório Joana Malheiros. Mesmo bastante nichado, o alcance foi bem relevante a partir das hashtags escolhidas: 773 impressões de um total de 1.022.

7º post: Diferenças jurídicas entre aborto e natimorto

Ver essa foto no Instagram

Aborto e natimorto são temas em constante debate em sociedades progressistas. Você conhece as diferenças entre os dois termos? ⠀⠀⠀ É considerado aborto a interrupção da gravidez de um feto que tem até 20 semanas de gestação, ou 500 gramas ou ainda tamanho menor ou igual a 25 centímetros. O aborto pode ocorrer de forma involuntária (também chamado de aborto espontâneo) ou deliberadamente (conhecido como aborto induzido). ⠀⠀⠀ Por sua vez, o natimorto é quando a criança falece dentro do ventre da mulher ou no momento do parto, sem que tenha havido respiração pulmonar. A criança nasce morta. Um aborto involuntário nos casos de gestação maior que 20 semanas, ou de feto com mais de 500 gramas ou maior que 25 centímetros, também é considerado um natimorto. ⠀⠀⠀ 🖋 No campo jurídico, o aborto não é levado a registro, mas o natimorto é registrado no livro C-Auxiliar do Registro Civil. A legislação gaúcha é sensível à dor e ao luto das famílias que perdem seus bebês antes mesmo de poderem dar o primeiro beijo fraterno em suas crianças. ⠀⠀⠀ Isso significa que o natimorto pode ser registrado com o nome que mãe e pai pretendiam dar à criança. Há uma relevância jurídica no seu registro, uma vez que a Lei 6.015/73 exige tal registro tanto para fins estatísticos relativos à saúde, como para o exercício de direito à licença-maternidade. ⠀⠀⠀ #CartórioJuntoDaSociedade #aborto #natimorto #direitonews #direitodefamilia #direitodefamília #direitodefamiliaesucessoes #direitodefamíliaesucessões #direitoregistral #registrocivil

Uma publicação compartilhada por Cartório Joana Malheiros (@cartoriojoanamalheiros) em

Outra publicação focada no público do Direito. A diferença aqui é o uso da genérica #aborto e da nichada #natimorto.

Veja como o post performou:

Em um ano, aumentei 758% o número de seguidores de forma orgânica e sem automação, apenas produzindo conteúdo e definindo estratégias com hashtags
Em um ano, aumentei 758% o número de seguidores de forma orgânica e sem automação, apenas produzindo conteúdo e definindo estratégias com hashtags

58% das contas alcançadas não seguiam o Cartório Joana Malheiros. Além do tema específico, falar sobre aborto é entrar em uma área repleta de polêmicas. Entretanto, mesmo com números menos expressivos que as demais publicações do artigo, ainda assim as hashtags se sobrassaíram: 309 impressões de um total de 560.

8º post: Relação da coparentalidade com o Registro Civil

Ver essa foto no Instagram

No famoso seriado Friends, a relação de Rachel Green e Ross Geller para criar a filha Emma Geller-Green tem nome: coparentalidade. ⠀⠀⠀ Apesar de a série ter ido ao ar entre 1994 e 2004, o conceito de coparentalidade não se tornou popular. Por não ser muito falado, o tema gera dúvidas entre operadores do Direito. ⠀⠀⠀ ➡ Coparentalidade é quando duas pessoas desejam gerar, educar e dar carinho a um(a) filho(a) em conjunto sem manterem vínculo romântico nem relação formalizada por união estável ou casamento civil. Também não é necessário que ambos vivam no mesmo lar. ⠀⠀⠀ Se você nunca assistiu ao seriado Friends, saiba que a relação entre Rachel (Jennifer Aniston) e Ross (David Schwimmer) ocorre dessa maneira a partir do nascimento de Emma (Noelle Sheldon). ⠀⠀⠀ ⚠ Como não há união afetiva formalizada entre mãe e pai, é importante que algumas medidas sejam tomadas para atender aos interesses da criança com segurança jurídica. A primeira atitude que os pais devem realizar é registrar o bebê assim que nascer. Para isso, ambos devem portar documentos de identificação com CPF para que seus nomes constem no registro de nascimento da criança, identificando-os efetivamente como mãe e pai. Outro cuidado que os pais deverão ter é estabelecer uma pactuação escrita sobre os detalhes do relacionamento objetivando o princípio do melhor interesse das crianças e dos adolescentes. A pactuação poderá ser de forma particular, ou por escritura pública (nesse caso em um Tabelionato de Notas). No documento constará o registro da criança, a guarda compartilhada, o direito de convivência, os termos dos alimentos, entre outros itens que garantam os direitos da criança. A guarda compartilhada da coparentalidade ocorre nos mesmos moldes do casal tradicional que se divorciou e deixou de conviver no mesmo lar. Em tempos modernos e progressistas em que a sociedade se torna cada vez mais diversa, não se faz necessário que mãe e pai mantenham vínculo afetivo para realizar o sonho de gerar e educar uma criança. Entretanto, é preciso estar ciente quanto ao principal objetivo da coparentalidade: zelar pelos direitos e pelo melhor interesse da criança.

Uma publicação compartilhada por Cartório Joana Malheiros (@cartoriojoanamalheiros) em

Trago esta publicação porque foi meu primeiro teste com elementos da cultura pop no Cartório Joana Malheiros. Perceba que o uso não foi apenas para chamar atenção e angariar curtidas. O conceito de coparentalidade está em total ligação com o seriado Friends.

Entretanto, mesmo com a ligação entre Rachel, Ross e coparentalidade, a escolha das hashtags poderia cair no lugar-comum. Note que #friends (393 milhões), #friendstvshow (728 mil), #rossgeller (549 mil), #rachelgreen (629 mil) são sim para conquistar engajamento de quem automatiza ações nessas hashtags. Porém mesclei o uso com #maedemenina (14 milhões) e #paidemenina (1,7 milhão), também amplas, mas alinhadas com o público de mães e pais que quis atingir.

Por sua vez, as nichadas foram #friendsbrasil (12,9 mil) e #coparentalidade (500+). Afinal, há muitos profissionais de Direito brasileiros e fãs de Friends, correto? Um deles até comentou 🙂

O uso de elemento da cultura pop teve um propósito maior neste post. O conteúdo esteve totalmente ancorado no caso do seriado Friends, portanto não se tratou do "meme pelo meme"

Veja os resultados:

O uso de elementos da cultura pop está totalmente conectada com a informação central do post. A escolha é muito além de conquistar curtidas da fan base do seriado Friends.
O uso de elementos da cultura pop está totalmente conectada com a informação central do post. A escolha é muito além de conquistar curtidas da fan base do seriado Friends.

Sua marca precisa ter uma hashtag própria

No começo do artigo afirmei que sua marca precisa ter uma hashtag autoral. Se você leu até aqui, primeiramente, muito obrigado! Presumo que você esteja interessado em aprimorar sua presença digital e melhorar cada vez mais seu trabalho gerindo redes sociais.

Chegamos ao nono exemplo. Agora, vou lhe mostrar o motivo de ter uma hashtag própria:

Para alguém se motivar a compartilhar seu conteúdo no próprio perfil no Instagram, é porque seu conteúdo realmente é útil. As imagens acima são 3 ocasiões em que publicações do Cartório Joana Malheiros foram compartilhadas.

Como as pessoas usaram algum app tipo Repost ou Regrammer, o texto original foi junto. Dessa forma, a #CartórioJuntoDaSociedade também foi. Desse modo, a audiência das pessoas que compartilham seu conteúdo podem gerar novos seguidores ao seu perfil, bem como elas podem fazer a sua marca ranquear bem nas tags.

A sua hashtag própria permite que você encontre facilmente os conteúdos de outros usuários, inclusive reposts.

Tenha cuidado com penalizações

O uso de 12 hashtags que mencionei pode mudar. É fundamental ficar de olho em informações de especialistas em Marketing Digital e em canais oficiais de cada rede social.

Entretanto, você pode se certificar se sua conta levou shadowban do Instagram ou não. Contas com shadowban têm o engajamento dos posts prejudicado.

Uma ferramenta útil para saber se sua conta foi afetada é o Triiber.

Lembre-se: produza conteúdo relevante e use hashtags com estratégia e moderação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *